janeiro 04, 2006












LIBERDADE

Aqui nesta praia onde
Não há nenhum vestígio de impureza
Aqui onde há somente
Ondas tombando ininterruptamente
Puro espaço e lúcida unidade,
Aqui o tempo apaixonadamente
Encontra a própria liberdade
.

(Sophia de Mello Breyner Andresen in Liberdade)

15 Comments:

Blogger Dinada said...

Ufa!!!

Lindo :)

04 janeiro, 2006 17:34  
Anonymous cantoneiro said...

poesia mentirosa

nenhum vestigio de impurezas

as gaivotas cagam aonde??

04 janeiro, 2006 17:39  
Blogger daviduskas said...

Liberdade é bom, mas o amor, modestamente, é melhor:

How Do I Love Thee?
by Elizabeth Barrett Browning

How do I love thee? Let me count the ways.
I love thee to the depth and breadth and height
My soul can reach, when feeling out of sight
For the ends of Being and ideal Grace.
I love thee to the level of every day's
Most quiet need, by sun and candlelight.
I love thee freely, as men strive for Right;
I love thee purely, as they turn from Praise.
I love with a passion put to use
In my old griefs, and with my childhood's faith.
I love thee with a love I seemed to lose
With my lost saints, -- I love thee with the breath,
Smiles, tears, of all my life! -- and, if God choose,
I shall but love thee better after death.

04 janeiro, 2006 17:45  
Anonymous Anónimo said...

fosca-se!!!!!!!!!!!!!!!

04 janeiro, 2006 17:49  
Blogger Inha said...

Os sonetos da Portuguesa?

Que pena o meu inglês não ser famoso...

obrigada.

04 janeiro, 2006 17:52  
Blogger spartakus said...

Sem chineses...

04 janeiro, 2006 18:43  
Blogger Mendes Ferreira said...

puro o espaço....


boa noite. inha.

04 janeiro, 2006 22:18  
Blogger Freeman said...

Olá Garot'inha,
Por aqui, sem querer cheguei, mas aproveito pra te dizer,
Que daqui, tudo gostei: da praia, da Audrey, e da mão no esteriótipo...
Menos do chinês macabro, que de cara, deixa nosso estômago bem embrulhado!
Digo-te também, que a Liberdade vale bem mais que um vintém!
O Amor?
Bem, este é essencial. De cabo a rabo, se não me leva a mal...Do suave toque nos lábios, ao quente tesão animal...
Por aqui vou ficando, mas, não sem antes te convidar para o meu site sisudo e errante.
Venha, mas traga consigo esse seu sorriso; bem como, debaixo dessas discretas formas , o seu maior perigo...

04 janeiro, 2006 22:39  
Blogger Mac Adriano said...

Com a fotografia de uma praia onde não há nenhum vestígio de impureza já consegui ler o poema da Sophia. Quem ficou a perder foi o Chico, cujo poema não consegui ler por causa da fotografia arrebatadora que o acompanhava.

04 janeiro, 2006 22:50  
Anonymous zezinho said...

É sempre bom recordar Sofia..
Beijos

04 janeiro, 2006 23:05  
Blogger OFyT said...

com cenarios destes...por momentos planamos, encontramos a Paz, sonhamos...e que o arco iris surja:-)

04 janeiro, 2006 23:07  
Blogger Maria said...

Praia...... sempre bom
Bom dia Inha
Beijokas

05 janeiro, 2006 09:18  
Blogger Mano 69 said...

(...)

Uma garrafa partida
uma lata de cerveja
uma pegada de alcatrão
e um fardo de palha marroquina...

05 janeiro, 2006 09:26  
Blogger Inha said...

Macaco e Mano 69, definitivamente... sois incorrigíveis!LOL


Sr. Gladiador, tive o cuidado de escolher uma praia não asiática. O que acabais de ver é uma paisagem moçambicana, paragens muito por vós apreciadas...;)Um beijo.

05 janeiro, 2006 09:37  
Blogger SoNosCredita said...

simplesmente Sophia! :)

09 janeiro, 2006 23:17  

Enviar um comentário

<< Home