fevereiro 26, 2008



O MORTO QUE FALOU

Uma vez um homem que estava a cortar uma pernada dum castanheiro, ali ao fundo do Reboludo, mas estava sentado na parte que havia de cair.

Passou por ali um almocreve, que vinha para Fajão, e vai aqui assim:
- Então o senhor está sentado na pernada que está a cortar?! Está aqui está no chão!
- Qual quê? Eu sei bem o que estou a fazer!
- Ai sim? Então passe muito bem.
E seguiu adiante.

Daí a nada esgalhou a pernada e o homem caiu.
Então pensou : Vou lhe perguntar quando é que eu morro.
Foi a correr e ainda o alcançou.
- Olhe lá, o senhor com certeza é santo: disse que eu caía e caí mesmo.
É capaz de me dizer quando é que eu morro?

- Olhe, o senhor vá, carregue o burro com a lenha, e ponha-o diante a andar para Fajão .
Quando ele der o terceiro traque o senhor morre.
O homem foi, cortou a lenha do castanheiro, carregou o burro e pô-lo a andar para Fajão.
Daí a pouco, o burro, ao dar uma passada mais difícil, soltou um traque.

- Mau! disse o homem. Já foi o primeiro.
Um pouco mais acima, noutro passo mais difícil, segundo traque.

- Alto! que isto agora está sério! Já só falta um!
Tenho de tomar providências.
Então fez uma rolha de pau e meteu-a no c. do burro, para ver se não vinha o terceiro traque.
Mas ao entrar na calçada do Reboludo, o burro não se conteve, e foi rolha e tudo direito à testa do homem.
O homem caiu atordoado e deu-se por morto.

Os de Fajão, quando viram lá chegar o burro sem o dono, foram à cata dele e encontraram-no estendido.
Veio o barbeiro e verificou o óbito. De maneira que, trouxeram um esquife e organizaram o cortejo para o cemitério.

Mas quando chegaram às Almas, onde há dois caminhos, um pela vila e outro directo ao cemitério, começaram a discutir por onde é que o haviam de levar.
Uns, porque deve ir pela vila, outros, porque é melhor ir directamente para o cemitério.

Como não chegassem a um acordo, o Pascoal, já meio irritado, teve uma ideia:

- O morto que diga por onde quer que a gente o leve!
Então o morto soergueu-se no esquife e disse com voz do outro mundo: « Eu quando era vivo ia por ali; agora, que estou morto, levem-me por onde quiserem».
E tornou-se a deitar. E lá o levaram por onde ele disse que ia em vida.

(Contos de Fajão)

6 Comments:

Blogger Xisko the kid said...

o mal de saber o futuro...parece que o procuramos, tudo se conjuga para...

26 fevereiro, 2008 17:00  
Blogger osátiro said...

O barbeiro é que fez um diagnóstico errado...

26 fevereiro, 2008 19:03  
Blogger gajo dos abraços said...

Ir atrás do burro, em particular após, literalmente, lhe enfiar um pau no c., também é capaz de não ter sido a melhor ideia...

26 fevereiro, 2008 23:31  
Blogger Francis said...

muito bom.

27 fevereiro, 2008 10:58  
Blogger fresquinha said...

Quem lhe manda tomar Activia ?

27 fevereiro, 2008 17:28  
Blogger Rafeiro Perfumado said...

Que raio é um "c."?

02 março, 2008 17:02  

Enviar um comentário

<< Home